A mídia tem anunciado fartamente nos últimos dias, a intenção do governo, através do ministro Henrique Meireles, de aumentar a alíquota de PIS e Cofins.
Hoje as empresas de forma geral já pagam 9,25% do preço do produto. Somente destes dois impostos. Ainda temos outros; ICMS, IPI, Imposto de renda, imposto de importação, ISSQN, etc..
Um medida descabida e totalmente confrontante com a situação do país e da nossa sociedade.
Não existe mais espaço para aumento de impostos.
Já passou a hora dos governos, federal, estadual e municipal, pensarem em diminuir o tamanho do estado, para que seus custos diminuam.
É totalmente descabida esta intenção do governo num momento de crise como estamos passando.
Nós empresários e empreendedores, não fazemos milagres.
Competir num ambiente como este é quase insanos.
Além dos impostos de tamanho estratosférico, temos um país que vive da burocracia. Esta burocracia só será reduzida se o estado sair do ambiente empresarial e se dedicar apenas as áreas de saúde, educação, infraestrutura e segurança.
No restante, nós empresários, é que temos que tomar conta.
Se isto acontecer, o estado não terá esta velocidade paquidérmica e os impostos serão aplicados onde precisamos.
Os cabides de empregos da classe política diminuirão enormemente e suas ações serão para ajudar a população e não usufruir das benéficas que o sistema proporciona.
Uma decisão correta do STF em excluir da base do ICMS o PIS/Cofins não pode ser utilizada para prejudicar ainda mais a sociedade.
Atitude de governos passados de colocar a mão indevidamente em impostos que não eram deles, não pode se transformar em mais um peso para nosso povo.
De forma contundente, a Afrac repudia esta intenção do governo federal em aumentar a alíquota de imposto do PIS/Cofins e espera que este governo seja iluminado com o bom senso que toda a sociedade espera dele.