Abertura de lojas em formatos mais aderentes à demanda, busca incessante por reduzir custos e tantas outras iniciativas para vencer a crise não bastaram para impedir a queda de 1,5% do autosserviço em 2016, a segunda seguida. O Longo período recessivo, apontado por muitos como o mais grave de nossa história, teve influência direta na receita do autosserviço em 2016. Segundo o estudo estrutura do varejo brasileiro, da Nielsen, o setor apresentou queda no índice de faturamento pelo segundo ano consecutivo.