Soluções de Pagamento com Mobilidade – TEF ou POS?
Nos últimos anos, a mobilidade tem feito parte da vida de muitas pessoas e tem mudado a realidade
das empresas. Algumas destas, que surgiram do “nada”, estão obtendo resultados surpreendentes
em tão pouco tempo de vida e em pleno período de dificuldades em que o país vive.
Junto a esta mudança cultural e tecnológica, claro que o setor de meios de pagamento não ficou de
fora. Novas soluções de pagamento eletrônico invadiram o mercado, com ampla oferta de soluções
mobile, utilizando-se m-PIN (mobile PIN pad) e m-POS (mobile POS).
Com o surgimento destes dispositivos seguros para soluções de pagamento com mobilidade, houve
uma grande mudança de conceitos. Enquanto o PIN pad tradicional (com fio) somente era utilizado
em soluções de TEF, o m-PIN (Bluetooth) pode ser utilizado para soluções de mobilidade no
conceito de TEF mobile, com uso de m-PIN + Smartphone, ou então com o mesmo conjunto de
hardwares pode-se ter outra solução, dentro do conceito de POS.
Já no caso do m-POS (GPRS ou WiFi), uma aplicação pode ser carregada no próprio dispositivo,
dispensando o uso de Smartphone, sendo uma solução de POS de fato, porém sem o uso da
impressora, já que o comprovante da transação pode ser enviado por SMS. Da mesma forma, o
m-POS (que é um POS sem impressora) pode ser utilizado em uma solução de POS com TEF,
onde carrega-se o software de TEF no m-POS, já que “POS” é uma composição de PIN PAD mais
CPU no mesmo terminal.
Dentro deste cenário tão misto e aparentemente complexo, hoje podemos afirmar que PIN PAD
Bluetooth pode ser utilizado para soluções de TEF ou soluções POS, e da mesma forma o POS,
com ou sem impressora, pode ser utilizado para soluções POS (tradicionalmente) ou de TEF (POS
com TEF).
Confuso talvez, mas simples a partir do momento em que se define qual a solução que melhor
atende ao Cliente que utilizará a solução: Fixo ou Móvel? TEF ou POS?
Há necessidade de também se resolver outra questão: os acordos com as Redes Adquirentes, em
relação ao uso das chaves criptográficas nos dispositivos de mobilidade, assunto para ser abordado
em outro artigo.
Autor: Marcelo Eiji Teramae (GERTEC)